Dia do Cardiologista e a saúde do coração pet

Dia do Cardiologista

Assim como na medicina humana, a medicina veterinária também tem suas especialidades e conhecer a importância delas para a saúde e cuidado preventivo com os nossos pets é fundamental não só para problemas muito específicos. Por isso há datas comemorativas que nos ajudam a conhecer mais sobre cada especialidade, como é o caso do Dia do Cardiologista.

Esta é uma das especialidades mais essenciais, afinal, cuidar da saúde do coração pet, o motorzinho que faz tudo funcionar! Então vamos entender mais sobre a cardiologia veterinária?

Dia do Cardiologista

Dia 14 de agosto é o dia do cardiologista. Por aqui focamos em entender o cardiologista veterinário e tudo o que esse profissional pode nos ajudar a prevenir, cuidar e alertar sobre  a saúde cardíaca dos nossos país!

A data foi criada para alertar e popularizar a importância dos cuidados com o coração humano e animal, a fim de evitar problemas sérios e identificar problemas congênitos, herdados dos pais. E sim, os animais também sofrem de problemas cardíacos, muitas vezes bem parecidos com os humanos, como pressão arterial elevada e sopro no coração que, na verdade, é um indicativo de que algo não vai bem e deve ser investigado por um veterinário cardiologista.

Veterinário Cardiologista

Você sabia que dentro da veterinária existem diversas especialidades como na medicina humana? Uma delas é a cardiologia que de tão especial, ganhou até uma data comemorativa, o dia do cardiologista. Seu pet já passou em consulta com um veterinário cardiologista?

Fizemos uma live com a veterinária cardiologista Dra Gisella Greco (confira a gravação aqui) no nosso Instagram para entender um pouco mais sobre a importância dos cuidados e check ups preventivos com a saúde cardíaca dos nossos pets. Por lá a dra. Gisela nos revelou sinais práticos que todo tutor pode avaliar em casa para entender se o pet precisa de cuidados, além de entendermos melhor como funciona o coraçãozinho do pet.

Doenças do coração do cachorro

Há uma série de doenças do coração possíveis e algumas mais comuns. Segundo a Dra Gisela, “90% das doenças de coração são adquiridas e acontecem ao longo da vida. Enquanto apenas 10% são congênitas”. 

As doenças do coração do cachorro congênitas, possuem sinais bem claros, desde a inatividade de um cão muito quieto e que cansa fácil, até em sinais clínicos que o veterinário clínico geral percebe ao auscutar o coraçãozinho do pet nas primeiras consultas, a partir de 40 dias de vida.

Contudo, o mais comum são doenças que surgem ao longo da vida do cachorro sendo a mais comum a Degeneração de Valva Mitral, que é o aumento do coração, causado pelo não fechamento efetivo da válvula quando o coração contrai, que faz com que o sangue que passa por ela se acumular em uma das cavidades do coração, causando o aumento dele. Para cães de pequeno porte e médio até uns 15kg, a incidência dessa doença é mais comum, independente da raça e incluindo os SRDs (ou vira-lata) e um dos sinais clínicos é o sopro de coração, causado por esse refluxo do sangue que passa pela valva mal fechada.

Já os cães acima de 20kg, como labrador, golden retriever, chow chow, pastor alemão, pitbul,l etc., são predispostos a ter cardiomiopatia dilatada, que é como a cardiomiopatia causada por chagas em humanos. Ela provoca o crescimento exorbitante do coração.

Há também doenças do coração do cachorro que promovem alteração de ritmo do batimento do coração, mais comuns em raças gigantes como o dog alemão e algumas raças específicas como o boxer, que também tem morte súbita. Por isso é tão importante fazer check up preventivo.

Já os gatos têm cardiopatia hipertrófica, que é o engrossamento do coração, comum em qualquer raça ou gatinhos sem raça definida.

Principais exames de coração para cães

É importante saber que mais de 75% dos cães e gatos têm algum grau de problema de coração e só descobrem quando fazem exames por outros motivos, como exames pré-operatórios para cirurgias e descobrem que algo não vai bem no sistema cardíaco do pet. Isso porque a maioria dessas doenças são silenciosas, então não dão sinais para que o tutor desconfie. Por isso o check up é tão importante.

E quais são esses exames que nos ajudam a fazer um diagnóstico precoce de problemas cardíacos em cães e gatos, você sabe? Relacionamos aqui como isso funciona para você:

  1. O primeiro cuidado é marcar uma consulta com seu veterinário clínico geral ou mesmo com um especialista em cardiologia veterinária, caso seu pet já tenha mais de 6 anos.
  2. Nesse primeiro contato o veterinário vai fazer várias perguntas sobre a rotina e comportamento do animal, que ajudam a identificar sinais de problemas cardíacos ou circulatórios que promovem complicações cardíacas.
  3. Em seguida ele deve auscultar o coração e pulmão do seu pet para entender como está o ritmo de batimento do coração e como é o barulhinho que ele faz. Isso porque a quantidade de batimentos mostra que o coração está OK, acelerado ou cansaço; e o barulho indica se está tudo bem ou se há um sopro no coração que precisa ser investigado.
  4. Por fim, durante a primeira consulta o veterinário ainda pode medir a pressão arterial do seu peludo.

Após os exames clínicos, ele ainda pode pedir alguns exames mais específicos, normalmente feitos em consulta com veterinário cardiologista para analisar o ritmo e a anatomia do coração. Além de exames de checkup esses exames também são muito importantes antes de uma cirurgia:

Eletrocardiograma veterinário

O eletrocardiograma é feito fixando alguns eletrodos no corpinho do pet que por cerca de 2 minutinhos analisam o ritmo, harmonia e picos de batimento do coração do pet por minuto. O exame é rápido de fazer e  de ser interpretado pelo veterinário, além de indolor e não precisar de preparação prévia, como jejum. Porém, não tem validade longa, sendo necessário refazer com no máximo 30 dias, em caso de pré-cirurgia e acompanhamento cardíaco para diagnóstico. Isso porque o ritmo sofre alterações de forma muito rápida, deixando o diagnóstico ultrapassado rapidamente. Com o eletrocardiograma veterinário é possível identificar alguns problemas de coração como Arritmia e o Aumento da Cavidade do Coração.

Além disso, em caso de exames pré-operatórios, o eletrocardiograma colabora para que o veterinário anestesista consiga avaliar e prever as reações do animal com relação aos anestésicos possíveis de serem utilizados durante a cirurgia. Algumas informações do eletrocardiograma podem indicar quais fármacos não devem ser utilizados, inclusive. Saiba mais sobre a anestesia veterinária nesse post.

Além do momento pré-cirúrgico, o veterinário pode solicitar um eletrocardiograma quando o pet apresenta:

  • Cansaço com muita facilidade;
  • Batimentos cardíacos irregulares;
  • Desmaios;
  • Língua com aparência azul-arroxeada;
  • Dificuldade para respirar

Ecocardiograma veterinário

Já o ecocardiograma não ouve o coração, mas analisa esse órgão de forma anatômica, avaliando formato, dimensões diversas e a saúde física desse músculo. Tais avaliações podem acontecer a cada 6 meses, pois o coração não muda anatomicamente de forma rápida como acontece com o ritmo diagnosticado com o eletrocardiograma. Então, um exame de ecocardiograma pode ser feito com até 6 meses antes da cirurgia ou reaproveitado em novas consultas e avaliações diversas.

O ecocardiograma veterinário é como um ultrassom do coração, que vai captar as ondas sonoras emitidas por todo o coração, transformando-as em imagens que vão permitir que o veterinário analise todas as características estruturais do coração do peludo.

Esse exame é comumente solicitado para animais com problemas congênitos, que mostram sopro exagerado no coração desde muito filhotes e também para animais de meia idade e idosos, a partir de 6 anos. Assim como o eletrocardiograma, não é invasivo, não necessita de sedação ou cortes e nem preparo prévio, sendo necessário apenas que o animal esteja tranquilo e fique deitado por alguns minutos.

E então, você sabia que existia um veterinário especializado na saúde do coração pet ou o dia do cardiologista te ajudou a aprender mais sobre a saúde animal?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *