Você tem um cachorro bravo?

Cachorro Bravo

Oi PessoaU, meu nome é Riane sou mamãe de 6 peludinhos lindos e também adestradora e fundadora da Cão & Equilíbrio. Neste post vamos conversar sobre um assunto bastante polêmico e que geram muitas dúvidas nos tutores que é Cachorros bravos. Então, se você tem um cachorro bravo ou conhece um cachorro bravo fique comigo nesse post, porque vou esclarecer todas as dúvidas.

Cachorro bravo, o que é?

Você tem um cachorro bravo? Com certeza você já está cansado de ouvir esse termo ao longo da sua vida, isso se dá porque a grande maioria das pessoas saem por aí etiquetando e catalogando cães e suas atitudes sem se preocupar com o que gera aquele comportamento ou como melhorar a postura e resposta do cãozinho ao ser exposto àquele gatilho.

Um cachorro bravo é um cão que provavelmente está com medo ou está respondendo a um instinto, seja ele de proteção do seu tutor, território ou recursos. Contudo, é importante que logo no início do nosso post fique bem claro que cães não nascem bravos. Então, o que acontece às vezes é que os tutores não sabem qual melhor maneira para ensinar e educar seus pets e essa falta de conhecimento pode fazer com que o cão responda de modo agressivo ou violento.

É verdade que existem cães geneticamente predispostos a serem bravos e por esse motivo que sempre indicamos que conheçam os pais para saber qual é o temperamento de ambos. Mas ter uma predisposição à agressividade não é suficiente para tornar-se um cão por si só agressivo. Talvez seja um filhote um pouco mais difícil de treinar e sua tolerância seja mais baixa. Mas com um bom treino e avaliação é possível traçar um plano de treinamento de filhotes para evitar que esse cãozinho venha desenvolver comportamentos agressivos futuramente.

Como saber se ele é bravo ou reativo?

Cães reativos são cães que reagem de modo exagerado e desproporcional diante de um estímulo, certamente um cão reativo é um cão que não sabe como reagir ou agir diante de um estímulo ou situação. Isso pode significar que um cão que saia correndo desesperadamente quando ouve um barulho e ele é tão reativo quanto um cão que late quando passa uma moto na rua. Portanto, um cão reativo não necessariamente é um cão bravo e agressivo, mas um cão agressivo sempre é um cão reativo.

A reatividade funciona como um pequeno empurrão para um comportamento agressivo e devemos lembrar que a agressividade é uma patologia e na grande maioria das vezes tem origem em cruzas indevidas somado a falta de conhecimento do tutor em como lidar com aquele indivíduo. Além disso, dificilmente possui apenas uma causa, a agressividade na maioria das vezes é multifatorial.

Um cão pode ser reativo por vários motivos e dentre eles podemos destacar:

  1. Medo;
  2. Posse de recursos;
  3. Frustração;
  4. Falta de sociabilização;
  5. Falta de rotina diária;
  6. Estresse;

Um cão reativo pode apresentar vários comportamentos como:

  1. Latidos constantes;
  2. Corpo rígido de alerta (não necessariamente ataque);
  3. Olhos alertas e corpo tenso;
  4. Quanto menor a aproximação do estímulo maior a explosão;
  5. Dificuldade em relaxar;
  6. Intolerância a excitabilidade do estímulo (cães ou humanos);
  7. Fuga desenfreada.

Um cão agressivo pode apresentar também todos esses comportamentos acima. Mas com um acréscimo do ataque. Isso porque um cão agressivo é um cão que aprendeu que morder funciona muito bem para afastar o estímulo ou conseguir o que deseja. Então, trata-se de um cão que já passou por todos os degraus de sinais e de reatividade e foi punido ou negligenciado. 

O que fazer?

O primeiro passo quando estamos lidando com um cachorro bravo ou agressivo é afastar-se do estímulo assim que você perceber qualquer sinal de desconforto. Os cães possuem basicamente três comportamentos quando se veem diante de um estímulo que julgam desconfortável ou ameaçador:

  1. Afastar-se;
  2. Congelar;
  3. Atacar.

É importante destacar que ao longo da vida do seu pet ele vai encontrar estímulos que ache ameaçador. Então o primeiro passo para lidar com maestria com um cão bravo é conseguir identificar quando o desconforto ocorre e afastá-lo, reforçando o comportamento de AFASTAR-SE. Afinal um cão que aprendeu que basta se afastar do que o incomoda, jamais preferirá atacar.

Os cães são animais naturalmente sociáveis que convivem em matilha. Isso faz com que instintivamente prefiram evitar um conflito do que o combate. Afinal já pensou quão desvantajoso pode ser quando uma matilha briga e disputa entre si?

O segundo passo é não postergar o início do treinamento, comportamentos agressivos não são e não devem ser negligenciados ou interpretados como algo normal. Com certeza você já ouviu a famosa frase: Deixa que eles se resolvam.  A partir do momento que damos carta branca aos nossos cães para que se resolvam, também damos a liberdade para que tomem atitudes mais bruscas como atacar por exemplo. E é inegável que assim que nosso cão atacar um outro cão ou outra pessoa teremos de interferir e afastá-lo do estímulo reforçando então a ele que para afastar o que lhe incomoda é necessário ser agressivo. Isso porque todos os sinais menos bruscos dados anteriormente não são funcionais. Então ao menor sinal de desconforto interfira SIM, leve seu cão a um ambiente mais calmo e agradável e treine esse gatilho em um momento mais oportuno respeitando o tempo e tolerância do seu pet.

Como cuidar?

Um cão pode demonstrar desconforto de várias formas, dentre elas:

  1. Bocejar, lamber o nariz, piscar os olhos;
  2. Virar a cabeça, desviar o olhar;
  3. Virar o corpo, sentar, dar a pata;
  4. Recuar, afastar-se da situação;
  5. Agachar-se, orelhas para trás;
  6. Ficar agachado, cauda entre as patas;
  7. Deitar-se, levantar a pata;
  8. Corpo tenso, olhar fixo;
  9. Rosnar;
  10. Abocanhar;
  11. Morder.

É de suma importância que sempre que observar algum comportamento como os descritos acima afaste seu cão, observe a situação para que consiga identificar qual estímulo lhe gerou desconforto. Seja o porto seguro do seu cão, mostre a ele que pode contar com você e que ele não precisa resolver sozinho. Para isso, lhe dê variáveis de comportamento e mostre que existem rotas de fuga. Dê uma olhada de perto para a rotina do seu cão e se pergunte:

  1. Meu cão está tendo atividades suficientes?
  2. Estou dando atividades demais?
  3. Estou sobrecarregando-o?
  4. O que aconteceu horas antes pode ter influenciado?
  5. A reação dele foi realmente exagerada ou a pessoa ou o outro cão que forçou a barra?

Com todas essas respostas podemos traçar um perfil comportamental mais preciso e então montar um ambiente controlado (ou seja, nem estímulo demais nem de menos) para podermos treinar e dessensibilizar o que causou medo ou desconforto. Entretanto, não queira ensinar ou educar seu cão enquanto a “bomba” explode, não terá efeitos educativos só aumentará ainda mais a frustração e estresse. Toda a aproximação do estímulo deve ser gradativa e respeitando o espaço de cada pet e devemos entender que isso funciona de uma intensidade diferente para cada indivíduo, para alguns cães um cão há 1 km está próximo demais, para outros o outro lado da rua já basta, então a chave é: OBSERVE.

Existe adestramento?

Já vou começar esse tópico com um grande SIM, com certeza um cão que apresenta comportamentos agressivos ou reativos deve passar por um adestramento o quanto antes. Afinal o comportamento funciona como camadas de cebola, quanto mais o tempo passa mais difícil fica atingir o “miolo” e raiz do problema. 

Existem vários métodos de adestramento, dentre eles:

  • O adestramento clássico que baseia seu treinamento na teoria da dominância, faz o uso de punições para a extinção do comportamento,
  • O adestramento misto que faz o uso de punições e reforços
  • E o adestramento positivo que é o método de ensino que eu escolhi trabalhar, que visa focar não apenas no sintoma e sim no que gera o comportamento propriamente dito, nesse método de ensino baseamos nosso protocolo de treino na ciência do comportamento. Por isso, não usamos aversivos e também não acreditamos na teoria da dominância uma vez que essa teoria já caiu por terra há alguns anos por meio de estudos mais recentes.

Assim que você conseguir identificar comportamentos reativos ou agressivos no seu cãozinho você deve escolher qual tipo de metodologia deseja aplicar na sua rotina. 

O protocolo do adestramento positivo para agressividade não costuma ser algo com resultados imediatos. Afinal,  uma vez que trabalhamos mudando emoções, vai exigir do tutor constância, dedicação e paciência, mas é super eficaz, inclusive a longo prazo. 

E aí gostou desse post ?  Compartilha para aquele seu amigo que tem um cachorro bravo e já não sabe mais o que fazer. Você já teve contato com algum cão bravo? Como você reagiu?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *